V Edição: a mais internacional de sempre

A V edição do C(H)orta – Festival de Curtas do Faial está prestes a acontecer.

O certame terá cerimónia em direto, e exclusivamente online, a 28 de novembro em @ajifaial, no Facebook, a partir das 20:30.

Ao contrário do inicialmente previsto a Mostra Oficial não decorrerá no Teatro Faialense face às imposições de controlo e mitigação da pandemia Covid19.

Estão 25 curtas a concurso, fazendo-se representar 10 nacionalidades. Portugal é o país com maior expressão numérica, mas há obras da Índia, Tunísia, Rússia, Irão, Reino Unido, Estados Unidos, França, Espanha e Roménia. Foram submetidas a Pré-Seleção produções de todos os continentes, exceto da Antártida. A organização destaca ter tido não só a Pré-Seleção, e agora ter a Mostra, mais internacional e mais participadas de todas as edições do Festival.

A composição da Mostra Oficial é a seguinte (por ordem de apresentação):

1. Springs of Hope – Manick Ganesan (Índia);

2. We Have a Dream – Satoko Hoshino (Espanha);

3. Os Sete – Mar Navarro (Faial, Açores, Portugal);

4. How Blue is Your Ocean – Joe Pisciotta (Estados Unidos da América);

5. DIFERENTE. – Pedro Ribeiro (Faial, Açores, Portugal);

6. Kids Sapiens Sapiens – António Aleixo (Portugal);

7. Beware Of The Wolf – Julie Rembauville (França);

8. I’ll Call You Later – Maria Scutaru (Roménia);

9. This Side, Other Side – Lida Fazli(Irão);

10. Stay Home, Stay Safe, Stay Sane – Nick Hales (Reino Unido);

11. Mother – Gaurav Wakankar (Índia);

12. Malayz – Leila Ahang, Sara Hanif, Maryam Alavi e Marziyeh Kordlo (Irão);

13. The Sleeping Prince – Nicolas Bianco-Levrin (França);

14. Submerso – Tiago Soares (Açores, Portugal);

15. Extintor – Rodrigo Sopeña, Joana Solnado (Espanha);

16. Vacation – Jack Davies (Reino Unido);

17. Sing, Mummy – Zharkov Vitaliy (Rússia);

18. Snow Blind – Yasaman Afshar (Irão);

19. The Winner – Caroline Locke (Estados Unidos da América);

20. Troca Por Troca – Pedro Afonso (Portugal);

21. Craque Madame – Meriem Essoussi (Tunísia);

22. Touch – Anatael Pérez (Espanha);

23. Baby Tell Me What U Want – Joe Palermo (Reino Unido);

24. Fugaz – Herminio Cardiel (Espanha);

25. Pipo – Hugo Le Gourrierec (França).

As curtas metragens encontram-se organizadas por categorias: 1-6 | Documentário; 7-13 | Animação; e 14-25 | Ficção.



No total apresenta-se sete distinções a serem atribuídas:

1) Melhor Ficção;

2) Melhor Animação;

3) Melhor Documentário;

4) Melhor Curta Faialense;

5) Melhor Curta Açoriana;

6) Melhor Filme;

7) Prémio do Público.


Após a Mostra Oficial o público terá 5 minutos para votar facilmente na rede social Facebook. Os votos serão contabilizados na Caixa de Comentários da transmissão.

Os três júris indicados pela direção da Associação de Jovens da Ilha do Faial (AJIFA ) são Aurora Ribeiro, Vítor Pimentel e Rui Dowling.

Contamos convosco!

Abertas inscrições para o V C(H)ORTA 2020!

Quem juntará o seu nome à lista de vencedores?

O C(H)ORTA – Festival de Curtas do Faial está de volta! Este ano um pouco mais tarde, sabemos todos porquê.

Até dia 10 de novembro todos os realizadores podem – e devem – submeter a sua curta metragem para a Pré-seleção deste certame que tem vido, anos após ano, a se assumir como referência do espírito cinéfilo nos Açores.

O festival é aberto à participação de todo e qualquer interessado, a curta só não pode ter mais que 15 minutos de duração. Caso os candidatos tenham menos de 18 anos devem pedir à organização (ajifa.geral@gmail.com) que seja remetido um documento para recolha das devidas autorizações tutor.

Atenção: todas as obras devem ter sido realizadas de 2017 em diante, inclusive.

O formulário de inscrição encontra-se em www.chorta.ajifa.pt e o regulamento em www.chorta.ajifa.pt/regulamentochorta/ .

Este ano a Mostra Oficial do C(H)ORTA dá-se a 28 de novembro no Teatro Faialense, ilha do Faial, Açores.

Na edição do 2019, a IV, foi Ruptura (Gonçalo Santos) a sagrar-se Melhor Filme, conquistando ainda o prémio de Melhor Ficção e arrebatando a audiência sendo a Curta do Público.

Nas restantes categorias atribuídas pelo júri: A Casa Amarela (Ana Lopes) foi o melhor Documentário; Raquel Felgueiras viu Sendas ser considerada melhor Animação; e Tiago Soares venceu com Invasão o troféu de melhor Curta Açoriana.

São parceiros da AJIFA o Governo Regional dos Açores, através da direção regional da Juventude, a Câmara Municipal da Horta e a Urbhorta.

“Ruptura”, de Gonçalo Santos, é o grande vencedor da IV Edição do C(H)ORTA!

São agora conhecidos os vencedores da IV Edição do C(H)orta – Festival de Curtas do Faial. A Mostra Oficial deste ano, rodada a 26 de outubro de 2019 no Teatro Faialense, coroou “Ruptura” como o grande vencedor.

A curta metragem realizada por Gonçalo Santos venceu o prémio de “Melhor Ficção”, conquistou a audiência e arrecadou a “Curta do Público” e levou para casa o prémio mais aguardado: “Melhor Filme”.

Por seu lado, Raquel Felgueiras levantou o troféu de “Melhor Animação”, com “Sendas”; Ana Lopes e a sua “Casa Amarela” foram considerados “Melhor Documentário”; e foi atribuído a Tiago Lopes a “Melhor Curta Açoriana” com o curta “Invasão”.

Para ano estamos de volta afim de enaltecer o que de bom se faz em formato curta metragem e continuar a consolidar o C(H)ORTA como uma referência cinéfila nos Açores.

C(H)ORTA!

Inscrições abertas para IV edição do C(H)ORTA

Qual será o sucessor de Snooze?

 

Está aberto o período de inscrições para a IV edição do C(H)ORTA –Festival de Curtas do Faial, até dia 29 de setembro.  De hoje, 23 de agosto, até à data final são 38 os dias que tens para submeter a tua obra!

Este festival é aberto à participação de todo o qualquer interessado, seja do Faial, de Freixo de Espada-à-Cinta, da Letónia, da Nicarágua, da Papua Nova-Guiné, do Irão ou de onde quer que seja. Caso tenhas menos de 18 anos deves pedir à organização (ajifa.geral@gmail.com) que te seja remetido um documento para recolheres as devidas autorizações do teu tutor.

Podes encontrar o formulário de inscrição na categoria “Regulamento” em www.chorta.ajifa.pt.

O C(H)ORTA acontece a 25 e 26 de outubro no Teatro Faialense, ilha do Faial. Durante o mês de setembro serão dados a conhecer os júris desta edição e apresentada a Mostra Oficial a 11 de outubro.

Na III edição do C(H)ORTA foi Snooze (Dinis Leal Machado) a sagrar-se melhor curta do festival.  O prémio de melhor curta do Público foi para Snooze ex-equo com John (Rita Ornellas).

Nas restantes categorias atribuídas pelo júri, Terra Besta (Hugo Magro) foi o melhor Documentário; A Sina da Rapariga Que Tinha Sardinhas Na Cara ( Tomás  Melo, Teresa Cerqueira, Mariana Lopes e Rita Mendes) foi a melhor Curta Faialense;  e Snooze arrecadou o seu terceiro prémio da noite na categoria de melhor Ficção.

Até ao momento, e para a IV edição, são parceiros da AJIFA o Governo Regional dos Açores, através das direções regionais da Cultura e da Juventude, a Câmara Municipal da Horta e a Urbhorta.

               C(H)ORTA é palco de estreia de O Homem do Vento Norte

Paulo Henrique Silva é o realizador convidado para este ano. O primeiro dia da mostra, 25 de outubro, contará com a estreia mundial de O HOMEM DO VENTO NORTE. A obra foi rodada na Fajã de Santo Cristo, ilha de São Jorge, e conta com duas personagens principais, em torno das quais tudo se desenrola.

 

Se ainda não nos segues no Facebook podes fazê-lo pesquisando @ajifaial. Lá já podes encontrar o trailer de O Homem do Vento Norte.

Snooze vence terceira edição do C(H)ORTA

Chegou ao fim no passado dia 27 de outubro, no Teatro Faialense, a terceira edição do C(H)ORTA – Festival de Curtas do Faial. Organizado pela Associação de Jovens da Ilha do Faial (AJIFA), o festival, que nasceu com o principal objetivo de ser um estímulo à criação cinematográfica de jovens realizadores, contou com mais de 50 curtas metragens a concurso, tendo sido selecionadas 19 para a sessão de competição, que decorreu no dia 26. De entre os filmes a concurso, o júri, composto pelos realizadores Gonçalo Tocha e Pedro Escobar, este último em representação do Cineclube do Faial, e pela diretora de arte Inês Lebreaud, elegeu Snooze como a melhor curta do festival. O filme de Diniz Leal Machado levou ainda para casa o prémio de melhor ficção, tendo também sido um dos filmes escolhidos na votação do público, com o mesmo número de votos de John, de Rita Ornellas. Nas demais categorias, Terra Besta, de Hugo Magro, venceu o prémio para melhor documentário, e A sina da menina que tinha sardinhas na cara, de Tomás Melo, Teresa Cerqueira, Mariana Lopes e Rita Mendes, foi eleito o melhor filme faialense. Este ano, o júri optou por não atribuir prémio à categoria Animação. A AJIFA atribuiu ainda um “C(H)ORTA de Honra” a alguns dos filmes que integraram as sessões especiais do festival – O Pecado de quem nos Ama, North Atlantic e Surpresa -, bem como ao realizador Gonçalo Tocha, presidente do júri, pela sua impressionante carreira, repleta de premiações nacionais e internacionais. Destaque também para o concerto que fechou com chave de ouro mais esta edição do C(H)ORTA, a cargo da cantautora micaelense Sara Cruz. A organização faz um balanço muito positivo desta terceira edição, congratulando-se, principalmente, com a possibilidade de, pela primeira vez, levar o festival à Escola Secundária Manuel de Arriaga (ESMA), numa sessão especial que decorreu no dia 24, e no âmbito da qual a comunidade escolar pode assistir aos filmes Surpresa e North Atlantic, e ainda conversar com o realizador deste último, Bernardo Nascimento. A parceria com a ESMA é, segundo a AJIFA, para continuar, já que se afigura como um bom veículo para cumprir o objetivo principal do C(H)ORTA. Nesse sentido, a AJIFA destaca também a forte participação de realizadores faialenses, responsáveis por 6 dos 19 filmes da seleção oficial.

Também pela primeira vez em 2018, alguns dos filmes que compuseram a seleção oficial do festival serão exibidos pela RTP/Açores. Nesta edição do C(H)ORTA foram parceiros da AJIFA o Governo Regional dos Açores, através das direções regionais da Cultura, Juventude e Assuntos do Mar, o Município da Horta, a Urbhorta, o Geoparque Açores, o Cineclube do Faial, o Veja Mais Filmes, o projeto Entre Mares, a Escola Secundária Manuel de Arriaga, a Antena 1/Açores e a RTP/Açores, a Lactaçores e a Atlânticoline.

Conhecida seleção oficial da terceira edição do C(H)ORTA

Já é conhecida a Seleção Oficial da terceira edição do C(H)ORTA – Festival de Curtas do Faial. Depois da árdua tarefa da comissão de pré-seleção, com mais de 50 curtas-metragens submetidas e tendo em conta o tempo disponibilizado pela organização para a sessão de competição deste ano, estarão a concurso, nas categorias de Ficção, Animação e Documentário, 19 curtas-metragens.

Os filmes serão exibidos na Sessão de Competição do dia 26 de outubro.

O C(H)ORTA acontece no dia 24 de outubro na Escola Secundária Manuel de Arriaga e de 25 a 27 de outubro no Teatro Faialense.

C(H)ORTA – Festival de Curtas do Faial 2018
SELEÇÃO OFICIAL
Sessão de Competição
Teatro Faialense, 26 de outubro de 2018;

– 60 Anos Depois; Documentário; Rui Dowling;
– A Sina da Menina Que Tinha Sardinhas na Cara; Documentário; Coletivo Boca Negra;
– Bilvisningen; Ficção; Nuno Braumann;
– Carga; Ficção; Luis Campos;
– Choupan; Ficção; Sabrina Ildefonso;
– Ecos da Terra; Documentário; Coletivo Madijujo;
– Entre o Verão e o Outuno; Animação; Maria Francisca Pinto
– Estranho Amor; Ficção; João Santos;
– Habitado; Animação; Daniela Fortuns;
– Harden Edges; Animação; José Carlos Morais;
– John; Ficção; Rita Ornelas;
– O Curioso Caso da Ilha Negra; Ficção; Mar Navarro e Albina Griniūtė;
– Private Number; Ficção; Tiago Soares;
– Procura Quem Bem te Quer; Ficção; Pedro Pacheco;
– Rosebud; Ficção; Paula Saraiva;
– Sou; Documentário; Miguel Braga;
– Snooze; Ficção; Dinis Leal Machado;
– Tanque; Documentário; Fábio Poço;
– Terra Besta; Documentário; Hugo Magro;

CONHECIDO O JÚRI DA TERCEIRA EDIÇÃO DO C(H)ORTA – FESTIVAL DE CURTAS DO FAIAL

A terceira edição do C(H)ORTA – Festival de Curtas Metragens do Faial, que se realiza no Teatro Faialense, em outubro de 2018, já conta com Júri Oficial. Os três elementos a quem caberá a escolha das curtas metragens vencedoras de entre a Seleção Oficial são o realizador e produtor Gonçalo Tocha, a diretora de arte e realizadora Inês Lebreaud e Pedro Escobar, em representação do Cineclube do Faial.
As inscrições para participação no festival estão a decorrer até ao próximo dia 15 de setembro e podem ser submetidas em http://chorta.ajifa.pt/inscricao.

ABERTAS INSCRIÇÕES PARA A TERCEIRA EDIÇÃO DO C(H)ORTA

Festival de Curtas do Faial, organizado pela AJIFA, acontece nos dias 25, 26 e 27 de outubro, no Teatro Faialense

Inicia-se hoje, 15 de junho, o período de inscrições para a terceira edição do C(H)ORTA – Festival de Curtas do Faial.

O concurso de curtas-metragens está aberto à participação de todos os interessados. As inscrições podem ser realizadas no site oficial do evento, em chorta.ajifa.pt, onde também está disponível o regulamento.

Esta é a terceira edição do concurso, que em 2018 se irá realizar entre os dias 25 e 27 de outubro, no Teatro Faialense.

Em 2017, recorde-se, a mostra oficial do festival contou com 51 filmes a concurso, de todo o país, nos géneros ficção, animação e documentário. O grande vencedor foi a curta-metragem Ghiocel, de Mara Ungureanu, considerado melhor filme na categoria de animação, e melhor filme do festival. O melhor documentário do festival foi Lucília dos 9 aos 12, de Jeanne Waltz, ao passo que, na categoria “ficção”, a escolha recaiu sobre Um Dia, de Henrique Prudêncio. A escolha do júri para melhor filme faialense recaiu sobre a curta Leo, de Herman Delgado e o prémio do público foi para O Autor, de Rui Neto.
O período de inscrições prolonga-se até 15 de setembro.

GHIOCEL, DE MARA UNGUREANU, VENCEU SEGUNDA EDIÇÃO DO C(H)ORTA

Festival de Curtas organizado pela Associação de Jovens da Ilha do Faial decorreu entre 26 e 29 de dezembro, no Teatro Faialense

Chegou ao fim no passado dia 29 de dezembro a segunda edição do C(H)ORTA – Festival de Curtas Metragens do Faial, que durante quatro dias levou o Cinema ao Teatro Faialense.

De entre os 51 filmes a concurso, o júri escolheu a curta-metragem Ghiocel, de Mara Ungureanu, como melhor filme na categoria de animação, e melhor filme do festival.

O melhor documentário do festival foi Lucília dos 9 aos 12, de Jeanne Waltz, ao passo que, na categoria “ficção”, a escolha recaiu sobre Um Dia, de Henrique Prudêncio.

Neste festival participaram quatro filmes produzidos por jovens faialenses. A escolha do júri para melhor filme faialense recaiu sobre a curta Leo, de Herman Delgado.

Também o público presente nas duas sessões de competição do festival pôde votar no seu filme favorito. O filme mais votado, que levou para casa o prémio do público, foi O Autor, de Rui Neto.

 

C(H)ORTA terá terceira edição em 2018

O balanço positivo desta segunda edição do festival, motivado principalmente pela enorme adesão de jovens realizadores de todo o país, leva a que a terceira edição do mesmo seja já uma garantia. Mais do que a vontade da AJIFA em dar continuidade a este projeto em 2018,

ficou também a promessa, por parte do vereador da Câmara Municipal da Horta com o

pelouro da Cultura, Filipe Menezes, de que o Teatro Faialense estará de portas abertas para, mais uma vez, acolher este evento. Também o diretor regional da Juventude, Lúcio Rodrigues, deixou palavras de incentivo à AJIFA, garantindo o apoio daquele departamento governamental a uma próxima edição do festival.

 

CONHECIDA SELEÇÃO OFICIAL DA SEGUNDA EDIÇÃO DO C(H)ORTA

Já é conhecida a Seleção Oficial da segunda edição do C(H)ORTA – Festival de Curtas do Faial.Este ano, estarão a concurso, nas categorias de Ficção, Animação e Documentário, 51 curtas-metragens, o que representa mais do triplo do número de filmes a concurso em 2016.
Os filmes serão exibidos em duas sessões de competição. O C(H)ORTA acontece no Teatro Faialense, de 26 a 29 de dezembro.

C(H)ORTA – Festival de Curtas do Faial 2017

SELEÇÃO OFICIAL

Sessão de Competição I

Teatro Faialense; 27 de dezembro de 2017; 

– Red; Animação; Mariana Amaral e Márcia Maurício

– Festa da Bugiada e Mouriscada Sobrado – Valongo; Documentário; Martin Dale

– Ghiocel; Animação; Mara Ungureanu

– Noiva;Ficção; Bernardo Gomes de Almeida

– Por Deus ou pelo Diabo; Documentário; Dênis Fernandes, Joana Pereira e Luís Macedo

– Aqui e não lá; Ficção; Beatriz Montenegro e Diogo Pereira

– Outro Ritmo; Animação; Elton Fortes, Félix Lima, Pedro Ferreira e Tiago Nunes

– Welcome to the Village; Ficção; Inês Paredes

– In; Animação; Pedro Jordão

– Memorando;Documentário; Natacha Oliveira

– H0PE; Animação; Dimitridje Djordjevic, Diogo Moutela e Rodrigo Silveira

– Fake Empire; Ficção; Tomás Barão da Cunha

– Sum16; Documentário; Herman Delgado

– Amor Pleno; Ficção; Filipe Piteira

– Sidi Mansour; Documentário; Hela Ammar

– Speed Dating; Ficção; Pedro Caldeira e Paulo Graça

– Lockdown; Animação; Alexandre Boro, Miguel Chambel e Ricardo Carvalho

– Um Dia; Ficção; Henrique Prudêncio

– Chambi; Animação; Gonçalo Encarnação, João Machado, Nuno Coelho e Yu Wang

– O Cabo do Mundo; Documentário; Kate Saragaço Gomes

– Quantas Almas Tenho; Ficção; António Magalhães, David Rodrigues e João Pereira

– The Hoomans; Animação; Andreia Nunes, Cristina Carapinha e Rita Bu

– Amo(r)-te; Ficção; Vanessa Cortez

– Guti; Animação; Maria Patacas

– À Espera de Agosto; Documentário; Ana Maria Dinis

– Overed; Ficção; Rodrigo Freitas

 

Sessão de Competição II

Teatro Faialense; 28 de dezembro de 2017;

– An Original Cliché; Animação; Inês Carvalho

– Uma Viagem ao Minho; Documentário; Martin Dale

– Fear; Ficção; Denis Fernandes

– Os Médicos do Povo; Documentário; Juliana Ramalho

– One Day of Rain; Animação; Ágnes Györfi

– Le Metro; Ficção; Ricardo Vieira Lisboa

– Açores – Autonomia e Europa 1976-1986-2016; Documentário; Rodrigo Freitas

– Locked Up; Ficção; Carolina Estrella

– Amor Barata; Animação; João Fortuna e Joana Marques

– Alfaião; Documentário; André Almeida Rodrigues

– Paper Flower; Animação; Ana Margarida Roxo Neves

– Câmara Nova; Ficção; André Marques

– Pouco a Pouco; Animação; David Teixeira

– Lucília dos nove aos doze; Documentário; Jeanne Waltz

– Tripla Mente; Animação; Rodrigo Silveira, Dimitrije Djotdjevic, João Fortuna e Alexandre Boro

– Suspensus; Documentário; Maria Beatriz Reis

– Vozes ao Vento; Animação; Elton Fortes, Félix Lima, Pedro Ferreira e Tiago Nunes

– Nha Storia; Documentário; Inês Carrola

– Estrangeira; Ficção; Sandrine Sousa

– O Autor; Ficção; Rui Neto

– Palingénese; Documentário; Nuno Braumann e Pedro Koch

– The Amazing Ordinary Man; Animação; Paulo Portugal

– Running Man; Ficção; Pedro Sena Nunes

– Origem; Animação; Melodie Mendes e Filipe Augusto

– Leo; Ficção; Herman Delgado